04/03/2020
Dicas e Formação de Pastagens
Dicas e Formação de Pastagens
  • Preparo do solo:

Tudo começa com a coleta de amostras do solo para análise. Com resultado pronto, um responsável técnico especializado pode fazer recomendações de calagem e adubação, no que será considerado também, o tipo de capim ideal para o plantio.

O calcário deve ser aplicado ao solo entre 30 a 60 dias antes da semeadura para que tenha tempo de reagir e a sua incorporação deve ser na mesma profundidade que foi feita a análise do solo.
 
A primeira movimentação do solo pode ser feita com arado ou grade-aradora, incorporando todo material vegetal existente na superfície. Posteriormente, com uma grade niveladora, faz o nivelamento da superfície e eliminação de eventuais invasoras.
 
A aplicação a lanço de fertilizantes pode ser feita antes da gradagem niveladora, ou junto com plantio da semente, para uma boa incorporação do adubo.

 
  • O Plantio:
A melhor época de plantio é quando as chuvas passam a ocorrer com maior frequência sendo de outubro a março no território Brasil central.

O plantio deve possibilitar a distribuição uniforme das sementes por toda a área a ser formada. No caso de plantio em linhas ou em covas, o espaçamento entre elas deve ser o menor possível.

Uma causa frequente de insucesso é o plantio de quantidades insuficientes de sementes. A boa regulagem do equipamento de plantio é uma forma de garantir que a quantidade certa de sementes seja plantada. Essa quantidade, chamada de taxa de semeadura, varia de acordo com a cultivar, época do ano, sistema de semeadura e o Valor Cultural adquirido.

Os resultados dos testes de pureza e de germinação permitem o cálculo do Valor Cultural (% V.C.) da amostra de sementes, o qual é feito pela fórmula: % V.C. = (% pureza X % germinação ou % sementes viáveis) ÷
 100

O valor resultante corresponderá à quantidade mínima de quilogramas do lote de sementes disponível, a ser plantado por hectare.

Tanto a compra das sementes quanto o cálculo da taxa de adequada de semeadura devem ser baseadas no Valor Cultural (%VC) da semente a ser plantada. Esse valor resulta da análise em laboratório e representa a percentagem de sementes puras viáveis contida no lote de sementes.

As sementes devem ser cobertas pelo solo após a sua distribuição na área. As semeadoras em linha e as “matracas” fazem isto automaticamente. O enterro excessivo das sementes também é uma causa frequente de insucesso na formação de pastagem. As sementes devem ser enterradas, no máximo entre 2 e 4 cm.

Na semeadura a lanço, as sementes são depositadas sobre a superfície do solo e precisam ser logo enterradas. Isso pode ser feito:
a) com rolo compactador, de ferro de preferência estriado ou de um e/ou mais conjuntos de pneus lisos, que podem ser construídos na própria fazenda, para solos de textura média a arenosa;
b) com grade niveladora leve, totalmente fechada, isto é, regulada de forma que os discos fiquem paralelos à direção de avanço do equipamento, para que não enterrem muito as sementes, para solos de textura média a argilosa.

 
  • Cuidados no plantio:
A regulagem correta do equipamento de semeadura proporcionará distribuição desejada do produto garantindo formação uniforme e sem custo extra com sementes, isto não acarretará aumento no custo da formação ou reforma da pastagem, apenas tempo e conhecimento técnico.

Os fertilizantes a base de Nitrogênio e Potássio, não podem ser misturados com as sementes porque causam sua morte. Por outro lado, os a base de Fósforo como superfosfato simples granulado pode ser misturado, desde que o plantio ocorra nas primeiras 2 horas em que a mistura foi preparada.

 
  • Manejo de formação:
O primeiro pastejo, quando feito de modo correto, garante o sucesso de uma formação bem iniciada. Ele deve ser feito logo que as plantas estiverem crescidas e cobrindo toda a área plantada. Neste caso, é melhor utilizar animais leves, jovens, para fazer apenas um desponte das plantas, alta taxa de lotação por um curto período de tempo. Nesta fase, se forem utilizados animais pesados, as plantas poderão ser arrancadas durante o pastejo. 

Se o primeiro pastejo for feito bem mais tarde, muitas plantas morrerão por causa da competição entre elas. Isso aumenta os espaços vazios na pastagem, diminui a produção de capim e facilita o crescimento de ervas daninhas. Além de perder drasticamente a qualidade da forragem quando o capim emite suas sementes. 

A partir do primeiro pastejo, à medida em que as plantas se reestabelecerem, a pastagem pode passar a ser utilizada normalmente.